Três poemas de Raul Bopp


Monjolo Chorado do Bate-Pilão


Fazenda velha. Noite e dia
Bate-pilão.

Negro passa a vida ouvindo
Bate-pilão.

Relógio triste o da fazenda.
Bate-pilão.

Negro deita. Negro acorda.
Bate-pilão.

Quebra-se a tarde. Ave-Maria.
Bate-pilão.

Chega a noite. Toda a noite
Bate-pilão.

Quando há velório de negro
Bate-pilão.

Negro levado pra cova
Bate-pilão.



***


Coco de Pagu


Pagu tem os olhos moles 
uns olhos de fazer doer. 
Bate-côco quando passa. 
Coração pega a bater.

Eh Pagu eh!
Dói porque é bom de fazer doer.

Passa e me puxa com os olhos 
provocantissimamente.
Mexe-mexe bamboleia
pra mexer com toda a gente.

Eli Pagu eh!
Dói porque é bom de fazer doer.

Toda a gente fica olhando 
o seu corpinho de vai-e-vem 
umbilical e molengo 
de não-sei-o-que-é-que-tem.

Eh Pagu eh!
Dói porque é bom de fazer doer.

Quero porque te quero 
Nas formas do bem-querer. 
Querzinho de ficar junto 
que é bom de fazer doer.

Eh Pagu eh!
Dói porque é bom de fazer doer.



***



Tapuia


As florestas ergueram braços peludos para esconder-te
A tua carne triste se desabotoa nos seios
recém-chegados do fundo das selvas.
Pararam no teu olhar as noites do Amazonas
mornas e imensas
E no teu corpo longo.
ficou dormindo a sombra das cinco estrelas do Cruzeiro.
O mato acorda no teu sangue
sonhos de tribos desaparecidas
- filha de raças anônimas
que se misturam em grandes adultérios!
E erras sem rumo assim pelas beiras do rio
que os teus antepassados te deixaram de herança
O vento desarruma os teus cabelos soltos
e modela o vestido na intimidade do teu corpo exato.
À noite o rio te chama.
Chamam-te vozes do fundo do mato.
Então entregas à água
demoradamente
como uma flor selvagem
ante a curiosidade das estrelas.




Raul Bopp (Santa Maria, Rio Grande do Sul, 1898 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1984). Poeta, cronista, jornalista e diplomata. Modernista da fase heroica, sua poesia incorpora elementos da cultura indígena e do folclore brasileiro. 

_

A Revista POESIA AVULSA é editada e organizada pelo poeta André Merez [+ informações ] 


_

Comentários

Poetas mais lidos na Poesia Avulsa:

Conceição Evaristo: Cinco Poemas Definitivos

Patativa do Assaré: Poemas de Luta e de Terra

Adriane Garcia: Poemas de Quase Amor

Cesare Pavese: Três Poemas Traduzidos

Roque Dalton: Um Poeta Guerrilheiro

Cinco Poemas Inéditos de Líria Porto

Tarso de Melo: Íntimo Desabrigo

Alberto Bresciani em Seis Poemas

Seis poemas visuais de Fabiano Fernandes Garcez