Três Poemas Traduzidos de Nicanor Parra


Nicanor Parra nasceu em San Fabián de Alico (Chile) no dia 05 de setembro de 1914. Sua obra é considerada por muitos críticos de renome como uma das mais importantes da poesia ocidental. Sua influência é notada em grande parte da literatura americana, sobretudo entre os autores hispano-americanos. Além de poeta, Parra é matemático e físico. A importância e a projeção de sua obra poética atravessa continentes e é cada vez mais traduzida pelo mundo afora. Entre os tradutores mais famosos e importantes de sua obra, encontram-se autores como Allen Ginsberg, Tomas Merthon e e Denise Levertov. Em seus mais de 75 anos de carreira poética, Parra já escreveu vinte livros de poesia e participou de diversas antologias.


A montanha russa

Durante meio século
a poesia foi
o paraíso do tolo solene
até que eu cheguei aqui
e instalei minha montanha russa.

Subam se quiserem,
decerto não respondo se descem
sangrando pela boca e pelo nariz.

[Tradução do poeta André Merez]


_


Antes me parecia tudo bem


Agora tudo me parece mal.

Um telefone velho de campainha
bastava para me fazer o sujeito mais feliz da criação,
uma poltrona de madeira – qualquer coisa.

Domingo de manhã
ia ao mercado persa
e voltava com um relógio de parede
- digo, a caixa do relógio -
e suas respectivas teias,
ou com uma vitrola desmantelada,
a minha cabana em La Reina,
onde me esperavam o herdeiro
e a Senhora sua mãe na época.

Eram dias felizes,
ou, pelo menos, noites sem dor.

[Tradução do poeta André Merez]


_


Mudanças de nomes

Aos amantes das belas letras
anuncio o meu maior desejo:
mudarei os nomes de algumas coisas

Minha posição é esta:
o poeta não cumpre sua palavra
se não mudar o nome das coisas.

Com que razão o sol
há de continuar chamando sol?
Peço que se chame Micifuz
das botas de quarenta léguas

Meus sapatos parecem ataúdes?
Saibam que de hoje em diante
os sapatos se chamam ataúdes,
comunique-se, anote-se, publique-se
que os sapatos mudaram de nome
desde agora se chamam ataúdes.

É certo que a noite é longa
e todo poeta que se preze
deve ter seu próprio dicionário
e antes que eu me esqueça
há de se mudar o nome de Deus
cada qual o chame como queira
pois esse é um problema pessoal.

[Tradução de André Merez]


_

O poeta Nicanor Parra
_

A Revista POESIA AVULSA é editada e organizada pelo poeta André Merez [+ informações ] 

_

Comentários

  1. gostei imenso da poesia dele. parabéns pela tradução, André!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um poeta fantástico, Virgínia. Estou trabalhando traduções de outros poemas dele. Obrigado pela visita, amiga!

      Excluir
  2. Respostas
    1. Olá, Johan Heyss!
      Nicanor é um dos grandes. Obrigado pela visita, amigo.

      Excluir

Postar um comentário

Poetas mais lidos na Poesia Avulsa:

Conceição Evaristo: Cinco Poemas Definitivos

Patativa do Assaré: Poemas de Luta e de Terra

Três poemas de Raul Bopp

Adriane Garcia: Poemas de Quase Amor

Cesare Pavese: Três Poemas Traduzidos

Tarso de Melo: Íntimo Desabrigo

Alberto Bresciani em Seis Poemas

Roque Dalton: Um Poeta Guerrilheiro

Seis poemas visuais de Fabiano Fernandes Garcez

Micheliny Verunschk: Poemas Esparsos