Três poemas traduzidos de Ungaretti

Ricordo d'Affrica


Il sole rapisce la cittá
non si vede più
Neanche le tombe resistono molto

Recordação africana


O sol rapta a cidade
Nada mais se vê
Nem mesmo os túmulos resistem muito


***

Il Porto Sepolto


Vi arriva il poeta
e poi torna alla luce con i suoi canti
e li disperde

Di questa poesia
mi resta
quel nulla
d'inesauribile segreto

O Porto Sepulto

Eis que chega o poeta
e volta depois para a luz com seus cantos
e os despende

Desta poesia
me resta
aquele nada
de inexaurível segredo


***

Attrito


Con la mia fame di lupo
ammaino
il mio corpo di pecorella

Sono come
la misera barca
e come l'oceano libidinoso

Atrito

Com minha fome de lobo
amaino
meu corpo de cordeiro

Sou como
a barca ínfima
e o libidinoso oceano


***


_____________

Os poemas acima foram retirados da obra "Ungaretti: daquela estrela à outra"
Traduções de Aurora F. Bernardini e Haroldo de Campos
Atelier Editorial

O poeta Giuseppe Ungaretti


_

A Revista POESIA AVULSA é editada e organizada pelo poeta André Merez [+ informações ] 


_

Comentários

Poetas mais lidos na Poesia Avulsa:

Conceição Evaristo: Cinco Poemas Definitivos

Patativa do Assaré: Poemas de Luta e de Terra

Três poemas de Raul Bopp

Adriane Garcia: Poemas de Quase Amor

Cesare Pavese: Três Poemas Traduzidos

Roque Dalton: Um Poeta Guerrilheiro

Cinco Poemas Inéditos de Líria Porto

Tarso de Melo: Íntimo Desabrigo

Alberto Bresciani em Seis Poemas

Seis poemas visuais de Fabiano Fernandes Garcez