Luís Perdiz: 6 poemas de 2 livros


Luís Perdiz publicou os livros Saudade mestiça (Patuá, 2016) e Visão incurável (Ed. Lab: Demônio Negro/Hedra, 2018), que integra a coleção Vozes contemporâneas, coordenada por Claudio Willer. Cantor e compositor no grupo Estranhos no Ninho, é também um dos fundadores e editores do portal de literatura Poesia Primata e da Editora Primata. Nasceu em Campinas (SP) e prepara seu novo livro, contemplado com o ProacSP de Criação e Publicação Literária.





[Poemas do livro Saudade mestiça, Patuá, 2016]




MIGALHAS
os monumentos são zoológicos do medo
violentas cortinas rasgam a noite
preciso de distinção nos dentes
instantâneos que não mordem
o jardim de apuros
onde nossas garras desaprendem o espaço


PLAYGROUND
o que mais me relevava naquele
playground vazio
era o silêncio
igual ao meu
infância fantasia atravessada
merthiolates colos contrastes
amigos imaginários
todos eles filhos únicos
ensimesmado
pressentia sons de macondo
outras partes longas
indefinidas
longe do baile de minotauros


CORAGEM
partam logo os assustados
ou morram de coragem
a coragem rupestre
a coragem que dança
sombra de algum néctar rasante
porteiro do insaciável
se aproximem
o campo é de memórias
não há mais cosmo para o corpo
só dias para seu suor
quem irá se rebelar na maré do instinto
arranhar a miragem abismal em seu canto mais livre?
coragem e minhas vozes que perdoo
coragem que serpenteia e nada estanca
a noite espiral
talhada na couraça derradeira


[Poemas do livro Visão incurável, Ed. Lab: Demônio Negro/Hedra, 2018]



PRESSÁGIO
onde as ruínas virarem atlas
enchentes antidomésticas
brumas insuportavelmente belas
cicatrizes silvestres
do instantâneo ao eterno


NEVE
em seus cabelos embranquecidos
gaviões sublimados se arrastam
possuídos nos lagos e leitos da seda
oferenda de urros e lastros
ópio disperso das unhas aos lábios


PRECE
deus me proteja do som
e da esgrima carnívora do dia
escalavrada fremente bárbara
que avança atônita e fere
a tudo e a todos
neste mar soterrado
por vidas em aquários


__
O poeta Luís Perdiz
__

A Revista POESIA AVULSA é editada e organizada pelo poeta André Merez 


Comentários

Poetas mais lidos na Poesia Avulsa:

Conceição Evaristo: Cinco Poemas Definitivos

Patativa do Assaré: Poemas de Luta e de Terra

Três poemas de Raul Bopp

Adriane Garcia: Poemas de Quase Amor

Cesare Pavese: Três Poemas Traduzidos

Tarso de Melo: Íntimo Desabrigo

Alberto Bresciani em Seis Poemas

Roque Dalton: Um Poeta Guerrilheiro

Seis poemas visuais de Fabiano Fernandes Garcez

Micheliny Verunschk: Poemas Esparsos