Angel Cabeza: Canção para os seus olhos e outros castanhos.

Angel Cabeza nasceu no Rio de Janeiro.Cursou Letras e Jornalismo. É poeta, cronista, coordenador editorial e produtor. Publicou Canção para os seus olhos e outros castanhos (Urutau, 2019), Sempre existe um último momento (crônicas, 2011) e Vidro de guardados (poemas, 2010). Integra as antologias O Casulo (Patuá, 2017), 29 de abril, o verso da violência (Patuá, 2015), Qasaêd lla falastin – Poemas para a Palestina (Patuá, 2013), Geração em 140 caracteres (Geração Editorial, 2012), entre outras. Possui textos publicados em diversas mídias, entre elas Correio Braziliense, A União, Odara, Vício Velho, Escrita Droide, Diversos Afins, Literatura e Fechadura, Gueto, Germina, Zunái Subversa, Eutomia, Cronópios, Cuarto Próprio (Universidade de Porto Rico), Verso Destierro (México) e Generación Espontánea (Madri).



Alongamento

Alongo os olhos
nesta manhã
e curvo a mão
sobre o teu peito:
frêmito de asas
que toma a forma
do chumbo 
da cidade.



Travessia

Teus contornos gravados
em minhas linhas
são brancos hemisférios.
Tuas cavernas
segredos de pedra e chuva.
Desconheço mapas
que revelem a longitude
dos teus caminhos.
Nada é plano ou brando.
Necessário se faz desbravar
a tormenta
enfrentar a colisão
entre casco e rocha
aceitar o coração
contra as tuas pedras
pontiagudas e o naufrágio perfeito:
imergir no vermelho espesso;
a quentura invadindo pulmões
até que a respiração se avelude
até que reste apenas o abafado
som do oceano
acariciando o sal
dos rochedos.



Emancipação

Se somos
espelhos carnificados
— imagem e semelhança —
por que devorar
tua carne
é pecado de fogo?



Chiado

Encosto meus
ouvidos no teu busto
e ouço algo de Mozart:
pulsante desespero de cordas.



Malpassado

O verbo se faz carne.
E como carnívoros
desejamos o corte malpassado,
respingando sensações e
manchando alumbramentos,
como se estivéssemos mordendo
— com ânsia e fome —
um coração encharcado
de brasa.



Estações

É inverno lá fora.
Faz sol.
Mas há um canto
escuro por dentro
infestado de corvos.
E eles bicam
o doce do seu nome,
e eles bicam
a lisa e fina membrana
da lembrança.
É inverno lá fora,
mas por dentro
uma queimadura
de plumas.



A primeira noite

A primeira noite
em que se esvaiu,
foi como se arrancassem
cirurgicamente minha pele.
Ardia o toque de sua falange
em qualquer músculo.
Sobraram-me retalhos
de coração e sangue.
A segunda noite
em que se esvaiu,
parecia-me ter ferido
o calcanhar de Aquiles.
Toda a forma reduzida
num amontoado de carvão
em brasa.
Quando se esvaiu
as demais vezes,
calei-me.
Solidifiquei minha pata,
cristalizei um ventre.
Tornei-me perito em cinzelar
a madeira que nos sobra,
em acastanhar o negro da partida.

Bordar flores em ossos quebrados
é tarefa de quem possui
o estômago cheio de calos.



__

O poeta Angel Cabeza

__

A Revista POESIA AVULSA é editada e organizada pelo poeta André Merez 

Comentários

  1. O que você achou desta postagem? Deixe aqui as suas impressões. Isso é importante para o nosso trabalho.

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de indicar algum autor para publicação na revista? Deixe sua sugestão aqui nos comentários.

    ResponderExcluir
  3. Amei! As poesias de Angel Cabeça são encantadoras

    ResponderExcluir
  4. Atônita! Versos pulsantes que enfrentam a "colisão" de "espelhos carnificados", "um coração encharcado de brasa".

    ResponderExcluir

Postar um comentário