Jiddu Saldanha e a concisão do haicai

Jiddu Saldanha nasceu em Curitiba (PR) em 1965. Dedica-se a inúmeras formas de arte e é conhecido nacionalmente como mímico teatral e cineasta digital. Seu trabalho com poesia data de 1992, quando ajudava o poeta Samaral nas edições do fanzine Urbana, que congregou alguns dos grandes poetas da atualidade, como Salgado Maranhão, Silvio Back, Wlademir Dias-Pino, Lúcia Nobre, Regina Pouchaim, entre outros. Durante os anos 90 passou a frequentar os eventos literários do país como performer mímico e declamador. De 2000 a 2004 dirigiu o sarau Poesia na Quarta Capa no Rio de Janeiro, onde compartilhou o palco com grandes nomes da poesia carioca e nacional. Participou da Bienal do Rio de Janeiro, Festival Carioca de Poesia, Jornadas Literárias de  92 Passo Fundo e Congresso Brasileiro de Poesia, FLAP – Feira do Livro do Amapá e circuito off da FLIP – Festa literária de Paraty. Dedica-se ao haicai e já escreveu 06 livros físicos e dois e-books dentro desse estilo de escrita.





a palavra balalaica
é tão linda
que parece tocar sozinha



estrada de silêncio
o viajante cansado
abriga o sorriso



destino incerto
o caminhar da lesma
por linhas tortas



lua passageira
tenho te buscado pelo céu
a vida inteira



estrada de silêncio
o viajante cansado
abriga o sorriso



__

O haicaista Jiddu Saldanha

__

A Revista POESIA AVULSA é editada e organizada pelo poeta André Merez 


Comentários